Buscar
Curto-circuito: Quando o Brasil quase ficou às escuras
Cód:
4477_9786500219456

Por: R$ 64,90

Preço a vista: R$ 64,90

Comprar
Após meses de idas e vindas, em 1o de junho de 2001, Fernando Henrique Cardoso decretou o maior racionamento de energia elétrica da história do Brasil e um dos maiores do planeta. Com os reservatórios das hidrelétricas quase vazios, a cúpula do governo apostou na colaboração da população, sob a ameaça de cortes de luz e multas. Era a última tentativa de evitar blecautes que poderiam durar mais de oito horas diárias, mergulhando as grandes cidades brasileiras no caos. Quase nove meses depois, em fevereiro de 2002, o presidente enfim pôde anunciar o fim do racionamento. O governo evitou o pior, mas a economia perdeu fôlego e a popularidade de FHC despencou, justo em um ano de eleição presidencial. O grupo que assessorava o então candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, pregava o fim das privatizações, a retomada do planejamento e a eliminação do mercado livre. Contra todas as expectativas, após ser eleito, Lula encarrega Dilma Rousseff de comandar a reforma do setor elétrico e encontrar um caminho do meio. A estrela sobe. (...) uma narrativa vibrante sobre acertos e desacertos do setor elétrico no passado recente. O relato não é uma descrição da luta de mocinhos contra bandidos e sim uma didática exposição sobre as encruzilhadas do setor e a rationale das teses divergentes. – Jerson Kelman É uma leitura indispensável para quem quer entender como funciona esse tecnicamente complexo e ao mesmo tempo fascinante mundo da energia elétrica no Brasil. E como os políticos dele se aproximam para tirar dividendos. – Maurício Corrêa
Veja mais

Calcule o valor do frete e prazo de entrega para a sua região